Indústria

Ambiente de negócios

MOVE propõe que Prefeitura de Teresina conceda alvará provisório a empresas

Entidade empresarial reclama que burocracia do Município atrasa abertura de negócios em até 180 dias

 
Empresários reclamaram da burocracia do poder público (Fotos: Divulgação/Prefeitura de Teresina

 Empresários reclamaram da burocracia do poder público (Fotos: Divulgação/Prefeitura de Teresina

 
 

Associados do Movimento Empreender Piauí (MOVE), entidade que reúne empresários locais, irão propor à Prefeitura de Teresina que expeça alvará provisório de 15 dias para empresas no momento em que protocolarem pedido de abertura de um novo negócio. A entidade quer, com essa ação, que o Município desburocratize qualquer ato pública necessário para abertura ou ampliação de uma empresa na capital piauiense.

 

“A ideia é que o empresário já tenha autorização provisória pra tocar seu negócio e tenha 15 dias para reunir toda a documentação necessária para adquirir o alvará definitivo. Dessa forma, ganha-se tempo e o empresário já pode iniciar seu negócio”, afirma o presidente do MOVE, Arthur Feitosa.

 

Essa e outras ideias foram discutidas nessa quarta-feira, 13, durante visita do MOVE ao novo secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico, Marcelo Eulálio.  A entidade acordou em entregar em breve um documento que aponte os gargalos enfrentados pelo setor e as soluções para alavancar o empreendedorismo teresinense. Também foram solicitados meios de diminuir os trâmites burocráticos e um melhor tratamento aos empresários e empreendedores nas secretarias do município.

 


Leia mais

Empresários do Piauí substituem críticas por soluções para serem ouvidos pelo Governo

 

Mais de 5 mil empresas foram abertas no Piauí em 2020; comércio lidera ranking

 

Mais de 60% das empresas do Piauí já são abertas de forma automática


 

A burocracia é uma das maiores reclamações do setor empresarial da capital. Há relatos de que todos os documentos necessários para abertura ou ampliação de empresas têm demorado até 180 dias.  “Infelizmente, tudo o que a gente vai tratar com o poder público, ele tem uma maneira de atrapalhar. Parece que ninguém conhece as palavras urgência ou emergência. Tudo é postergado. O resultado é prejuízo para o empresário que está investindo ou iniciando seu negócio”, critica o presidente do MOVE.

 

Para Arthur, o objetivo do documento a ser entregue à Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Semdec) é melhorar o ambiente de negócios na capital, de forma que Teresina se consolide como um local de atração de investimentos.

 

Empresários do MOVE e o secretário Marcelo Eulálio

 

O líder empresarial destacou, por exemplo, a modernização da Junta Comercial do Estado (Jucepi), que hoje é uma das mais ágeis do Brasil, desburocratizando abertura, alteração ou fechamento de empresas. Ele ressalta que a Jucepi dá o primeiro passo, mas que ainda há outros órgãos, como Receita Federal, Corpo de Bombeiros e a própria Prefeitura de Teresina, que não possuem a mesma agilidade e isso atrasa os investimentos empresariais.

 

Participaram do encontro, além de Arthur Feitosa, os associados Gilberto Pedrosa, Raquel Vilar, Ezequias Costa, Toninho Brandão, Marco Pinto e Constance Jacob. O administrador de empresas Mário Josino Neto e a economista e consultora do Banco Mundial Mariana Ferraro participaram de forma virtual.

 

Siga o Piauí Negócios nas redes sociais

 

FACEBOOK

👉🏾 https://www.facebook.com/pinegocios

 

INSTAGRAM

👉🏾 https://www.instagram.com/pinegocios

                                           

TWITTER  

👉🏾 https://twitter.com/@negociospiaui

 

LINDEKDIN

👉🏾 https://www.linkedin.com/company/piauí-negócios/

 

Mais de Indústria