Comércio & Serviços

Coronavírus

Baixa adesão ao isolamento pressiona a reabertura do comércio no Piauí

Retomada organizada, prevista para o dia 7 de julho, terá melhor resultado no combate ao novo coronavírus

 
As empresas e a população estão cada vez menos cumprindo o isolamento social (Reprodução: In loco)

 As empresas e a população estão cada vez menos cumprindo o isolamento social (Reprodução: In loco)

 
 

O isolamento social obrigatório, adotado por decretos do Governo do Estado e Prefeitura de Teresina em meados de março para evitar a propagação do novo coronavírus, não está funcionando eficientemente como no início. O alerta foi feito pelo diretor técnico do Sebrae no Piauí, Delano Rocha, durante reunião virtual realizada na última terça-feira (23) entre a entidade e o governador Wellington Dias para discutir a retomada das atividades econômicas no estado, prevista para o dia 7 de julho.

 

Delano Rocha frisou que o isolamento social é uma medida que atendeu a uma emergência inicial, mas já não tem a adesão esperada nem está funcionando eficientemente, principalmente nas periferias e nas cidades do interior do Estado. Por isso, ele defende a retomada das atividades. A reabertura controlada e com os acompanhamentos devidos dará mais resultado para a saúde pública, sendo também bastante benéfica para a economia”, comentou o técnico.

 

No início da pandemia, em março, a taxa de isolamento em todo o Piauí ficava sempre acima dos 50%, chegando em um dia a quase 60%. Mas à medida que o tempo foi passando, o isolamento passou a cair, ficando quase sempre abaixo de 50%. Na segunda-feira (22) e terça-feira (23), ficou na faixa dos 40%. Em Teresina, que representa 42% do PIB do estado, o isoalmento também tem caído desde março, Os dados são empresa In Loco.

 

 

 

Rocha lembrou que as medidas de auxílio do governo federal para as empresas deram fôlego no início da pandemia, bem como a adesão à venda e prestação de serviços online, mas agora a situação está crítica. “[O descumprimento das medidas de isolamento por parte dos empresários e empreendedores] está acontecendo porque as empresas chegaram ao limite de manter uma mínima estrutura, com custos, sem poder faturar devidamente”, disse.  Segundo o Sebrae, 12 mil pequenas empresas em todo o Piauí não vão mais reabrir após a pandemia.

 

 

Delano Rocha (de perfil) durante audiência virtual na última terça-feira (Foto: divulgação)

 

Empresas querem uma data certa para reabertura

O diretor destacou a importância do Governo do Estado e da Prefeitura de Teresina definirem datas de reabertura, inclusive para os empresários poderem se programar. “Para reabrir, o administrador vai precisar acionar fornecedores, treinar funcionários para os protocolos, organizar os pedidos, as entregas. Tudo isso precisa ser planejado, por isso o empresário, antes, precisa de uma previsibilidade por parte do governo”, afirmou.

 

Sobre o risco dos casos de coronavírus aumentarem após a reabertura, Rocha aposta muito do esforço do empresariado para conscientizar os seus colaboradores sobre os protocolos sanitários adequados. “Precisamos de uma ação educativa mais incisiva e persistente para que as pessoas não relaxem e deixem de cumprir as regras. Com isso, acreditamos que será possível atingir os resultados desejados”, opinou.

 


Leia mais

Economistas da Ufpi falam como Pronampe pode ajudar as empresas

Veja os setores que mais demitiram no Piauí

Economia do Piauí vai levar 7 meses para se recuperar, avaliam empresas


 

O presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-PI, Freitas Neto, também entendeu que a paralisação das atividades foi necessária, mas a reabertura, obedecendo aos protocolos exigidos, é mais que urgente, na medida em que deve contribuir para mitigar os efeitos da crise econômica que será sem precedentes. “Importante também frisar que os protocolos, por mais necessários que sejam, não podem ser muito burocráticos e dispendiosos para não inviabilizar, na prática, o funcionamento de muitas empresas”, destacou.

 

Retomada das atividades será no dia 7 de julho

 

O governador do Estado, Wellington Dias, disse estar ciente das dificuldades enfrentadas pelos pequenos negócios, destacando sua preocupação com o setor econômico, bem como o acompanhamento diuturno dos dados de saúde pública. “O que fizemos até agora é para não corrermos o risco de retroagir nas medidas de flexibilização”, afirmou o governador, como aconteceu em algumas cidades brasileiras,  que tiveram que fechar o comércio novamente.

 

Nesta quinta-feira (25), o governador Wellington Dias anunciou a retomada das atividades a partir do dia 7 de julho, em uma sintonia com o prefeito de Teresina. A reabertura atende aos protocolos de flexibilização das atividades econômicas, seguindo o Pacto pela Retomada Organizada Pro Piauí. “É melhor sair com protocolo, do que sair desorganizado. Assim, temos uma chance melhor de fiscalização e termos condições de ampliar o Busca Ativa, pois sabemos da desobediência de alguns setores e precisamos organizar isso”, destacou o gestor estadual.

 

Participaram também do encontro de terça-feira representantes da Federação das Indústrias do Estado do Piauí, Fiepi; das secretarias estaduais de Desenvolvimento Econômico e de Planejamento; e da Diretoria de Vigilância Sanitária do Piauí.

 

Siga o Piauí Negócios nas redes sociais

FACEBOOK

👉🏾 https://www.facebook.com/pinegocios

INSTAGRAM

👉🏾 https://www.instagram.com/pinegocios

 TWITTER  

👉🏾 https://twitter.com/@negociospiaui

LINDEKDIN

👉🏾 https://www.linkedin.com/company/piauí-negócios/

Fonte: Sebrae-PI e Governo do Piauí

Mais de Comércio & Serviços