Artigos & Colunas

Fundos imobiliários

Fundo imobiliário chega ao Piauí

Fundo TRXF11 adquire imóvel do Grupo Pão de Açúcar situado em Teresina

 
 
 

No dia 05/03/2020, foi divulgado um documento (fato relevante) em que o TRX REAL ESTATE FII (TRXF11) comunicou a formalização de um Instrumento Particular de Compromisso de Compra e Venda de Imóveis com o Grupo Pão de Açúcar, “tendo por objeto a compra de 43 (quarenta e três) imóveis localizados nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Goiás, Bahia, Sergipe, Pernambuco, Piauí e Paraíba, pelo valor total de R$ 1.245.885.000,00 (um bilhão, duzentos e quarenta e cinco milhões, oitocentos e oitenta e cinco mil reais), para posterior locação de tais Imóveis ao Pão de Açúcar, ao Assaí Atacadista, ao Mercado Extra e ao Extra Hipermercados, pelo prazo de 15 (quinze) anos”.

 

Mais recentemente, em 29/05/2020, o TRXF11, divulgou fato relevante através do qual informa que concluiu a aquisição de 05 imóveis, entre os quais “1 loja varejista localizada na cidade de Teresina/PI (...), a qual é operada sob a bandeira ‘Pão de Açúcar’”.

 

            Trata-se do primeiro imóvel em Teresina adquirido por um fundo imobiliário. A meu ver, isso traz o investimento em fundos imobiliários para a realidade piauiense, torna o nosso estudo mais palpável.

 

            Ao tomar conhecimento desta aquisição, entrei em contato com os gestores do fundo, por e-mail, para obter mais informações. Questionei se havia a possibilidade/intenção de o fundo adquirir outros imóveis aqui em Teresina ou em outra cidade do Piauí. Transcrevo a resposta enviada pela gestão: “Sim, existe e a possibilidade é real, pois ainda há pelo menos mais um imóvel localizado em Teresina no pacote que negociamos com o Grupo Pão de Açúcar”.

 

            Na oportunidade, também indaguei a gestão sobre a concentração das receitas do fundo em um só inquilino (no caso, o Grupo Pão de Açúcar) e se existem planos para diversificação de inquilinos no futuro. Resposta: “A nossa intenção é fazer com que o TRXF11 seja um dos maiores e mais pulverizados Fundos do mercado, preservando sempre a qualidade do portfólio e dos inquilinos (risco de crédito). Sendo assim, entendemos que essa aquisição fará com que o Fundo ganhe ‘musculatura’ para seguirmos originando novos ativos, para diversificar o risco de crédito, mesmo considerando a qualidade do risco do Grupo Pão de Açúcar, neste momento”.

 

            O que mais me chamou atenção neste fundo, além do fato de ter adquirido um imóvel em Teresina, é que o mesmo possui imóveis em um dos poucos segmentos da economia que tem demonstrado resiliência neste período de isolamento social: o setor de supermercados, incluindo alguns centros de distribuição (imóveis logísticos e de varejo).

 

            Com efeito, por se tratar de uma atividade essencial, os supermercados permanecem em pleno funcionamento, de modo que o fundo, apesar de recente (iniciou em 15/10/2019), parece estar se posicionando muito bem no mercado, mesmo durante a crise sanitária que vivenciamos atualmente.

 

 

NOTAS:

 

1.         Caso tenha ficado alguma dúvida sobre o assunto do texto, veja o vídeo no meu canal do YouTube, chamado IMPERES FIIS, clicando no link: https://youtu.be/8jKI_z3gwyU

Na descrição do vídeo você encontra o link para as minhas redes sociais. Não hesite em mandar a sua pergunta, através dos comentários do vídeo ou pelas redes sociais. A sua dúvida pode ajudar outras pessoas também.

 

2.         Todos os documentos do fundo mencionados no texto podem ser acessados no site: http://trxf11.com.br

 

3.         Disclaimer: os fundos imobiliários citados neste artigo devem ser vistos apenas como exemplos dos fatos apresentados, não se tratando de recomendação de investimento.

Siga o Piauí Negócios nas redes sociais

FACEBOOK

👉🏾 https://www.facebook.com/pinegocios

INSTAGRAM

👉🏾 https://www.instagram.com/pinegocios

 TWITTER  

👉🏾 https://twitter.com/@negociospiaui

LINkEDIN

👉🏾 https://www.linkedin.com/company/piauí-negócios/

Fonte: João Ricardo Imperes Lira - investidor

Mais de Artigos & Colunas