Comércio & Serviços

Covid-19

“A pior crise que estamos vivendo”

Empresário do setor de transporte de cargas no Piauí sofre com queda de 50% nas vendas

 
Pesquisa realizada pelo Sebrae PI

 Pesquisa realizada pelo Sebrae PI

 
 

Desde o dia 23 de março, quando um decreto estadual interrompeu de forma abrupta a maioria das atividades econômicas do Piauí para evitar o avanço da pandemia do novo coronavírus, empresários piauienses ficaram apreensivos. Sem capital de giro, muitos precisaram recorrer a operações de crédito para não fechar as portas. Porém, mais de 40 dias após o início da crise, somente agora alguns empréstimos começam a ser liberado para alguns, enquanto outros ainda aguardam a análise dos bancos.

 

Lucídio da Costa Silva, um dos sócios da Velocargas, só recorreu ao crédito para o capital do giro do Banco do Nordeste na primeira semana de maio, quando o governo facilitou o processo. Mas ele reclama da alta burocracia das operações financeiras. “O governo demorou e continua demorando bastante a agir, já que tinha uma visão de como os outros países vinham se comportando com esta crise”, frisa.

 

Sua empresa registrou queda de 50% no faturamento, e ele está apreensivo porque, caso não tenha êxito em conseguir o crédito, terá que negociar descontos nos boletos dos fornecedores. “É a pior crise que estamos vivendo. Antes da pandemia os negócios estavam muito bem”, finaliza.

 

58% dos pequenos negócios do Piauí precisam de crédito, revela pesquisa

A situação dos empresários ouvidos nesta reportagem é semelhante a da maioria dos colegas. Segundo uma pesquisa realizada pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Sebrae Nacional, no início de abril, 58% dos micros e pequenos negócios do Piauí precisarão de financiamento para sobreviverem.

 

De acordo com o levantamento, 34% dos entrevistados já buscaram algum tipo de financiamento, mas 55% destes tiveram seus pedidos negados. O percentual de empresas do Estado que obtiveram crédito e as que ainda estão aguardando resposta são iguais, ficando em torno 22,5%.

 

 

O estudo “O Impacto da Pandemia do Coronavírus nos Pequenos Negócios”, realizado entre os dias 03 e 07 de abril com 44 donos de pequenos negócios, considera informações desde quando iniciou a crise do Coronavírus.

 

Leia também

Em crise por causa da pandemia, empresas do Piauí reclamam na demora de liberação de crédito

 

Empresa piauiense recorre a três empréstimos para sobreviver à crise do coronavírus

 

Crédito para capital de giro e prazo deveriam ser ampliados, diz economista Márcio Braz

 

Piauí Fomento, BB, CEF e BNB: conheça as linhas de crédito para empresas

 

Senado aprova lei que permite crédito a empresas com restrições financeiras

 

Caixa oferece crédito às empresas, com carência de até um ano

 

Banco do Nordeste lança crédito emergencial para empresas com juros de 2,5% ao ano

 

MP dispensa documentos para empresas pedirem crédito a bancos públicos

 

Mais de Comércio & Serviços