Carreira & Gestão Pública

Pandemia

Sebrae-PI ensina 10 dicas para empresas enfrentarem a crise do coronavírus

Entidade lança e-book com orientações aos empresários para tentar salvar seus negócios

 
E-book do Sebrae orienta como enfrentar a crise do coronavírus (Reprodução)

 E-book do Sebrae orienta como enfrentar a crise do coronavírus (Reprodução)

 
 

O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Sebrae no Piauí (Sebrae) lançou esta semana o e-book “Preparando sua Empresa para Momentos de Crise (Covid-19) – Finanças e Custos”, com dez dicas para ajudar as micro e pequenas empresas a enfrentarem a crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus. O material foi elaborado por analistas do Sebrae e aponta alternativas e oportunidades para reduzir os impactos gerados pela queda no faturamento em decorrência da quarentena da população piauiense.

 

Cada uma das dicas existentes no e-book possui um comentário justificando-a. A primeira e mais polêmica diz respeito à demissão de funcionários, que geralmente é a primeira medida adotada por empresários quando precisam cortar custos. Segundo o Sebrae, essa pode não ser a melhor solução. “Demitir funcionário pode piorar a entrega ou a qualidade de seus produtos e serviços. Readequar as equipes para oferecer outros produtos e serviços pode ser a solução. O ajuste do custo poderá ser equilibrado com as próximas ações”, orienta a publicação (veja abaixo as dez dicas).

 

Dez dicas para sua empresa sobreviver à crise do novo coronavírus

1. Primeira coisa: Nada de pânico, não demita funcionário;

Demitir funcionário pode piorar a entrega ou a qualidade de seus produtos e serviços. Readequar as equipes para oferecer outros produtos e serviços pode ser a solução. O ajuste do custo poderá ser equilibrado com as próximas ações.

2. O Foco é na geração de CAIXA ($$);

Em um momento de diminuição de vendas é preciso que a empresa tenha caixa para continuar cobrindo seus custos fixos mensais (que não deixarão de existir, como aluguel, energia, funcionários, etc). Portanto, renegociar prazos com fornecedores, renegociar dívidas anteriores que estão com taxas mais altas ou até mesmo vender algum ativo que está em desuso na empresa, são importantes para alavancar o caixa.

3. Renegocie prazos com seus Fornecedores;

Renegociar prazos de pagamento junto ao fornecedor pode dar uma folga financeira e caixa para a empresa. Já vimos casos de o fornecedor exigir o pagamento em 30 dias, mas o empresário pagar em 5 dias, ficar sem caixa para outras obrigações (como aluguel) e fazer uso do cheque especial.

4. Renegocie dívidas e/ou recorra a empréstimos de Capital de Giro com taxas baixas;

Em 2015, a Taxa SELIC (taxa básica de juros – taxa que os bancos utilizam para “dar preço” ao crédito) chegou a 14,25% e atualmente (03/2020) está em 4,25% . A grosso modo, podemos dizer que o dinheiro está “mais barato” ou as operações de crédito por parte dos bancos estão com taxas mais atrativas. Além disso, o Governo anunciou um pacote de medidas com estímulo à economia no combate ao COVID-19 que envolve Crédito para as MPE’s.

5. Fuja dos Juros de Cartão de Crédito e Cheque Especial;

Com vendas baixas, as empresas recorrem a empréstimos emergenciais, sendo o principal deles o Cheque Especial. Porém, por ser algo emergencial, o risco envolvido na operação deriva para uma taxa de Juros absurdamente alta, chegando a 10% ao mês ou até 300% ao ano.

6. Faça Compras Adequadas;

Tão importante quanto se preocupar com a venda, é ser eficiente na compra. Compras a vistas apenas se for com desconto (para não descapitalizar). Além disso, lembre-se que está se preparando para um período de menos vendas, portanto, comprar somente o necessário

7. Ajuste a temperatura do Ar Condicionado para o 23;

A maioria das pessoas acredita que utilizando o condicionador de ar na temperatura mais baixa irá acelerar o processo de condicionamento do ar. O que não é verdade. O condicionador terá sua capacidade aumentada e irá consumir mais energia.

8. Renegocie constantemente Contratos de Celular, TV a cabo, Telefones e internet;

Muitas empresas pagam muito além daquilo que de fato usam. Ajuste estes serviços e reduza os custos;

9. Vendas a prazo;

Você com certeza já se deparou com uma loja que vende uma peça em 5x (Cinco parcelas) e outra que vende apenas em 2x(duas parcelas). Isso acontece porque uma tem mais Capital de Giro do que a outra, ou seja, tem mais recursos financeiros ($) para cobrir os custos fixos até o recebimento total pela venda. Portanto, em um momento de geração de caixa, cuidado com o descasamento de prazos.

10. Negocie taxas de administração de Cartão de Credito e Antecipação de Crédito;

É muito comum nas empresas, por falta de Capital de Giro, a Antecipação de Recebíveis para o dia seguinte da venda. Acontece que geralmente são taxas muito altas e acabam comprometendo a saúde financeira global da empresa. As taxas de administração do cartão de crédito podem ser negociadas.

 

Fonte: Sebrae-PI

Para ter acesso ao e-book, clique aqui.

 

 

Além do e-book, o Sebrae-PI está atendendo pelos canais:

Central de Relacionamento Sebrae (0800.570.0800) - 8h00 às 20h00

WhatsApp (86) 9 9583-4586

Chat “Fale com o Sebrae”, disponível no Portal Sebrae (www.sebrae.com.br) -  8h00 às 12h00 e de 14h00 às 18h00.

Mais de Carreira & Gestão Pública