Carreira & Gestão Pública

Novo colaborador

Piauí Negócios estreia coluna sobre fundos imobiliários

Espaço divulgará informações sobre esse investimento que cresce de forma surpreendente no Brasil

 
João Imperes lembra que qualquer pessoa pode investir sem precisar ser rica e entender de economia (Foto: arquivo pessoal)

 João Imperes lembra que qualquer pessoa pode investir sem precisar ser rica e entender de economia (Foto: arquivo pessoal)

 
 

O investidor João Ricardo Imperes Lira estreia nesta quinta-feira (13), no Piauí Negócios, a coluna “Fundos imobiliários”. Será um espaço onde o leitor do site vai ter acesso, semanalmente, a todas as informações sobre essa nova forma de investimento que cresce de forma surpreendente no Brasil, com um retorno acima da média de outros investimentos do mercado nacional, como a poupança e a previdência privada, por exemplo.

 

“Fundos imobiliários” tratará exatamente do que o nome propõe: como o cidadão comum pode aplicar seu dinheiro de forma acessível, com menos riscos e com maior liquidez do que o investimento direto em imóveis para locação. “Vamos explicar para o leitor que é possível sim uma pessoa que não seja rica adquirir um imóvel e ainda lucrar com isso. É um tipo de investimento que aumenta a cada ano e aqui no Piauí ainda é muito tímido esse movimento. Nosso objetivo é orientar a população sobre como proceder”, afirma João Ricardo.


De fato, os fundos imobiliários são a bola de vez. Cresceram de tal maneira que, dos 1.398.777 investidores brasileiros na Bolsa de Valores, 632.643 investem em fundos imobiliários (dados de dezembro/2019 divulgados no site da B3 - http://www.b3.com.br/data/files/70/72/ED/6A/0566F6109A4874F6AC094EA8/Perfil%20Investidores.xlsx e

http://www.b3.com.br/data/files/D0/B4/AE/49/37C00710D1D02007AC094EA8/Boletim%20Mercado%20Imobiliario%20-%202019%2012.pdf).

 

Para efeito de comparação, em outubro de 2019, eram apenas 517.994, ou seja, entraram mais de 114 mil novos investidores nesses 2 meses. No começo de 2019, eram somente 200 mil investidores.


Esse sucesso ocorre porque as pessoas começaram a perceber que, se um imóvel (um bem físico) quase sempre tem uma valorização acima da inflação, então um rendimento lastreado por esse bem tem mais chances de ter retorno maior.
 

Ricardo diz que são várias as vantagens em se investir em fundos imobiliários. A primeira é o valor. “Comprar um imóvel demanda uma quantia bastante elevada. A maioria das pessoas não possui condições de adquirir um imóvel sem recorrer a financiamentos bancários. No caso dos fundos, você compra uma pequena parte do imóvel, de acordo com sua disponibilidade financeira. Há cotas que custam menos de R$2,00”, explica o investidor.
 

Outro ponto a ser considerado é que as transações com imóveis são intermediadas por corretores ou imobiliárias que cobram taxas, existem custos com cartório, entre tantas outras despesas que oneram ainda mais a operação. Isso não ocorre nos fundos imobiliários.
Ricardo cita também outra vantagem. “Suponha que você possui um imóvel avaliado em R$ 200.000,00 e lhe aparece uma despesa no valor de R$ 20.000,00. Você não consegue vender somente 10% do seu imóvel para quitar a dívida, seria obrigado a se desfazer do imóvel todo, perdendo sua fonte de renda.

 

Porém, caso você possua os mesmos R$ 200.000,00 investidos em cotas de fundos imobiliários, poderia vender apenas a quantidade suficiente de cotas para ‘resgatar’ o dinheiro que necessita, honrando sua dívida e permanecendo com a renda das cotas restantes.”


Dentre os tipos de imóveis mais procurados para fundos imobiliários, estão shoppings centers, prédios comerciais e galpões logísticos situados em locais estratégicos. 

 

Quem é João Ricardo Imperes Lira?
João Ricardo é advogado e funcionário público. Começou a se interessar por fundos imobiliários em 2018, quando um amigo falou sobre esse tipo de investimento. “No começo, achava que era algo muito complicado, que tinha a ver somente com grandes empresários. Mas depois ele me explicou que não, que qualquer pessoa pode investir sem precisar ser rica e entender de economia”, lembra o agora investidor.

 

Outro ponto que influenciou na decisão de Ricardo para aplicar sua economia em fundos imobiliários foi a preocupação com o futuro. “Embora eu seja servidor público, não sei como vai estar a economia daqui a 20 ou 30 anos, pois pode haver novas reformas. Então, o investimento é uma forma de eu ter um outra fonte de renda no futuro”, comenta.
 

Assim, em janeiro de 2019 Ricardo fez seu primeiro investimento. Aplicou um pouco menos de R$ 500,00 em um fundo que é proprietário de vários shoppings centers espalhados pelo País, passando a receber desde então uma parte da renda gerada por esses empreendimentos.

 

Hoje, possui investimentos em dez fundos imobiliários de setores diferentes. Começou a ler muito sobre o assunto e acha que é preciso desmistificar que investimento em bolsa de valores é coisa de gente muito rica.
 

Nesse sentido, vem compartilhando suas experiências em um blog sobre fundos imobiliários, que pode ser acessado no link https://jricardoil.wixsite.com/fiis e, a partir de agora, também aqui no PIAUÍ NEGÓCIOS.

 

Clique aqui e acesse a coluna FUNDOS IMOBILIÁRIOS

Mais de Carreira & Gestão Pública