Indústria

Reação da economia

Com queda nos juros, MRV já aposta em imóveis para classe média em Teresina

Construtora popular quer lançar habitações com valores entre 250 mil e 300 mil reais

 
Terrazo Poti, condomínio popular da MRV: construtora quer investir na classe média (Foto: divulgação)

 Terrazo Poti, condomínio popular da MRV: construtora quer investir na classe média (Foto: divulgação)

 
 

A histórica queda na taxa básica de juros (Selic) no Brasil, que caiu para 4,5% no mês passado, estimulou a MRV, maior construtora da América Latina voltada para habitação popular, a investir em imóveis para classe média em Teresina. A empresa avalia que, com juros menores, famílias com renda mais alta poderão adquirir imóveis mais caros com parcelas que cabem no orçamento doméstico.

 

A informação foi passada na noite da última quinta-feira (16), ao Piauí Negócios, por André Lorenzoni, gestor comercial da MRV no Piauí, durante o lançamento do segundo empreendimento em Teresina. Apesar de mais de 90% dos imóveis da construtora serem populares, a empresa viu uma lacuna no mercado teresinense na oferta de imóveis entre 250 mil e 300 mil reais. “Há bastante lançamentos de imóveis mais populares e de alto padrão, mas falta oferta de empreendimentos voltadas para famílias de classe social fica no meio dessas outras duas”, analisou Lorenzoni.

 

 

André Lorenzoni, da MRV, diz que a construtora percebeu uma lacuna de imóveis para a classe média (Foto: divulgação)

 

Essas famílias de classe média, com renda de R$ 4 mil a R$ 10 mil, deixaram de comprar imóveis com a crise econômica iniciada em 2015, em que as taxa Selic estava em torno de 13% ou 14% ao mês. Com juros, as parcelas também cairão. “A previsão é de fazermos o lançamento somente em 2021. Ainda não definimos o local onde vamos construir o empreendimento, mas vamos apostar nessa ideia. Já construímos alguns imóveis para a classe média em outros estados com bons resultados”, disse o gestor.

 

Enquanto isso, a MRV vai continuar apostando no mercado popular, que depende 100% de subsídios do governo federal, por meio do programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV. Depois de entregar o Terrazzo Poti, na semana passada, que marcou a chegada da construtora no Piauí, a MRV pretende até o final de 2020 ter três empreendimentos em andamento na capital, todos com imóvel de até R$ 180 mil, que é o limite do teto do MCMV.

 

Além do Terrazzo Horizonte, que terá 344 apartamentos localizados e terá investimento de R$ 24 milhões, a construtora vai lançar outro condomínio na zona leste e mais um na zona norte. No total, serão mais de 1.400 imóveis nas plantas à venda pela construtora até o final de 2020. O volume de vendas dos três condomínios é de R$ 190 milhões.

 

Queda de juros vem desde 2016

A queda na taxa Selic foi iniciada pelo Banco Central em outubro de 2016. Naquele ano, a taxa de juros caiu de 14,25% para 6,5% ano. No final de julho de 2019, caiu mais 0,5 ponto percentual, para 6% ao ano. Em setembro, caiu para 5,5% e, em outubro, a taxa passou a ser de 5% ao ano. Em dezembro, finalmente 4,5%.

 

A taxa Selic é referência para outras taxas, mas não representa os juros cobrados dos consumidores, que são mais altos.

Mais de Indústria